Vida urbana

“De lugar relativamente seguro, contudo, a cidade tem sido associada, principalmente nos últimos cento e poucos anos, mais ao perigo que à proteção”. 

(Zygmunt Bauman, sociólogo polonês, Tempos Líquidos, p. 77) 

A população brasileira está vivendo cada vez mais nos grandes centros urbanos. 

É um fenômeno que impressiona, uma vez que há uma mistura de muita gente, sonhos, abundâncias e carências. 

Nas grandes aglomerações urbanas, as pessoas trombam nas ruas; o trânsito caótico está cada dia mais abarrotado de veículos. É um buzinaço para todos os lados, porque falta espaço, e o clima é sempre de muita tensão: a pressa pede passagem, o estresse ocupa um lugar de destaque e os compromissos diários sofrem com as consequências dessa situação. 

Não tem dia, não tem hora, trafegar pelas ruas das cidades grandes é um exercício de paciência, desgaste e um desejo ardente de sumir do mapa desse caos a céu aberto. 

Diante dessa realidade, o que fazer? Para onde correr? A quem recorrer? Quais são as alternativas que temos para concretizar soluções viáveis? 

No trânsito, tentam-se resolver os problemas que estão atormentando o transporte coletivo, sem deixar de se preocupar com os congestionamentos de veículos, que deixam os condutores com os nervos à flor da pele e aí qualquer motivo é justificativa para se atear fogo nesse circo armado no terreno da vida urbana. 

Entre outros problemas, destaca-se a rotina da violência no trânsito, que vai desde as loucuras teimosas que combinam bebida, volante, velocidade, ignorância, à lentidão e o volume de investimentos muito aquém das necessidades que o caos do trânsito requer. 

Na luta por um lugar ao sol, vale qualquer sacrifício para estudar, se qualificar, para enfrentar o mundo do trabalho, a lógica que sustenta o mercado, a briga com o paradigma da Sociedade Capitalista, a sedução do consumismo, a busca ávida pelo lucro e a perpetuação desse sistema, apesar das crises que assolam muitos países pelo mundo afora. 

No palco das lutas, sofrem mais aquelas pessoas que têm apenas migalhas do direito à moradia; na saúde, o mais frequente é implorar por atendimento, quando não se morre na espera das longas filas que não permitem que o socorro chegue a tempo; na educação, oferecida para as classes populares, prima-se pela quantidade e finge-se investir na qualidade. Apesar das lutas históricas travadas pelos trabalhadores em educação, não se implementam políticas públicas que, de fato, mudem o rumo dessa situação educacional. Na maioria dos discursos, o professor ora é visto como herói, um profissional abnegado, capaz de fazer enormes sacrifícios em seu trabalho, ora é visto como um vilão e o grande culpado pelo quadro que se encontra a educação. Reclama-se que os professores falta muito e por isso as escolas ficam sem aulas. Há professores que faltam por diversas razões, principalmente por problemas de saúde, mas não se pode atribuir isso à categoria como um todo. O que falta, na verdade, são professores de várias disciplinas para ministrar aulas, já que a profissão é cada vez mais desvalorizada por baixos salários, más condições de trabalho, a violência que bota medo, falta de um novo estatuto do magistério e de concurso público, proposta de privatização do IAMSP, divisão dos professores não titulares em várias categorias com poucos direitos trabalhistas, etc. Diante disso, muitos educadores estão desistindo por não aguentarem o tranco dessa triste realidade nas escolas púbicas. 

E, para encurtar a prosa, fica este recado: mesmo em meio a esta dura realidade em que vive a população nos grandes centros urbanos, mas não só, somos o país do futebol, do carnaval e do jeitinho. No ano de 2014, o país sediará a Copa do Mundo e em 2016, as Olimpíadas... Afinal de contas, somos a sétima economia do mundo. 

Diante desse cenário, a pergunta que não quer calar: o que é preciso fazer para que os cidadãos comuns, principalmente aqueles que mais sofrem, possam se beneficiar com essa posição que o Brasil ocupa no ranking da economia mundial? 



Ivo Lima 

Professor de Filosofia e Escritor 

Autor dos livros: O recheio que faltava em sua vida 

A direção da vida 

Membro da Associação de professores de filosofia e filósofos do Estado de São Paulo – APROFFESP 

E-mail: ivolimasantos@yahoo.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Guia de Abordagem Didático

Textos Didáticos